terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Os Animes na Minha Vida




Pra quem viveu na década de 90 como eu deve se lembrar de alguns animes que permearam nossa infância. Se hoje eu tenho essa paixão inesgotável por animação japonesa eu com certeza devo agradecer as emissoras de televisão abertas que exibiram várias obras do tipo.


Apesar de ser influenciados por outros tipos de animação que já existiam muito tempo antes, os animes sempre chamaram muito mais minha atenção. Não sei dizer o porquê sinceramente, se são os traços dos personagens que sempre gostei, ou aqueles olhos grandes e brilhosos que dão um aspecto vivo incrível a eles, ou talvez até pelas grandes lições de amizade e companheiros que apresentavam, lições que sempre me emocionaram e com certeza influenciaram e muito no meu caráter e na minha índole como ser humano que vive em um mundo onde os valores de ética e moral estão cada vez mais escassos da sociedade.

Na infância muitos personagens, sejam eles em animação ou em filmes acabam tornando-se nossos ídolos, eles nos inspiraram, fizeram com que quiséssemos ser como eles, poderosos, corajosos e sempre derrotando o mal no final.
Como não falar de Goku, Vegeta, Ash, Seiya, Shiryu, Hyoga, Shun, Ikki e tantos outros que disputávamos com os amigos para ver quem seria quem, um tipo de imaginação infantil que infelizmente parece estar morrendo aos poucos.

Na década de 90 começou houve o que as pessoas costumam chamar de “BOOM” dos animes no país, inicialmente com a TV Manchete, que tive a infelicidade de não conhecer, pois era muito novo na época em que sua programação era transmitida.


Meu primeiro anime foi Pokémon no início dos anos 2000, que passava na Record inclusive. Pokémon teve tanto impacto na minha vida e não foi só o hábito de assistir a série de TV, desencadeou-se também várias tardes de sábado jogando RPG de tabuleiro com os amigos, horas e horas de vício no Game Boy e várias reprises de Pokemon O Filme (aquele no Mewtwo). E hoje ainda fico impressionado como a franquia se mantém forte, seja pela animação, jogos (Pokemon GO) e outros produtos.



Após isso a segunda paixão veio com Digimon, exibido na rede globo, que acompanhei religiosamente todos os dias. Todos os colegas de escola queriam ser o Greymon ou Garurumon, é engraçado relembrar essas coisas, me da uma sensação de felicidade enquanto escrevo esse texto.



Logo depois veio Dragon Ball Z, que comecei a ver logo na saga dos sayajins, portanto acabei não pegando totalmente a saga inicial com Goku criança, via alguns episódios no SBT sábado de manhã, mas infelizmente as emissoras de TV aberta às vezes não respeitavam o telespectador fã de animes. Muitas séries eram canceladas antes do final, horários eram trocados ou episódios eram transmitidos de forma desordenada.

Acompanhei Dragon Ball Z desde os Sayajins até o final de Dragon Ball GT pela rede globo e tenho que levantar e bater palmas pra Akira Toriyama, não só pelo trabalho magnifico como também pela grande importância do seu trabalho para indústria de animação japonesa. Se hoje os Animes são conhecidos no mundo todo, Akira-sama também tem uma grande participação nisso.

Quem possuía TV paga em casa tinha mais opções e mais chances de acompanhar animes na íntegra, porém só tive minha primeira Tv por assinatura anos depois, então fui refém da TV aberta durante muitos anos.





E com os anos veio muita coisa boa. Yu-gi-Oh! que me deu um prejuízo em cartas de baralho (haha), muitos campeonatos e batalhas entre os amigos. Beyblade, que antes de surgir os primeiros brinquedos da franquia brincávamos com TAMPAS DE DETERGENTE :D (Ohh época boa).

Peguei também um pouco de Inuyasha (Fiquei puto quando a Globo cancelou), Monster Rancher, Shinzo, Super Campeões, Hunter x Hunter e Fullmetal Alchemist pela Rede TV.


 Depois veio a Play TV que foi uma bênção na minha vida. Se hoje conheço clássicos como Cowboy Beebop, Trigun, Love Hina e Ranma ½ tenho muito que agradecer a Play TV que saiu da TV aberta em em 7 de julho de 2008, cheguei a ficar meio depressivo na época (sério!).



Depois com a facilidade da internet ficou mais fácil ver animes. Foi aí que conheci Naruto, Bleach, Evangelion, Onegai Teacher, One Piece e um catatau de outras séries. Acredito que foi a partir daí que virou de certa forma uma dependência para mim, hoje tenho 24 anos e assisto animes praticamente todos os dias. É um hobby que me faz bem, faz o tempo deslizar e me enche de alegria, é um sentimento meio difícil de descrever, é algo como – Cara isso parece que foi feito pra mim!

Hoje a facilidade está cada vez mais evidente. Temos o Crunchyroll, Netflix e muitos sites espalhados pela net. É uma paixão que me faz lembrar uma infância feliz, muito diferente de hoje em dia. Não estou dizendo que as crianças de hoje não são felizes, mas convenhamos, os anos passados eram muito mais divertidos do que esse período de total dependência da tecnologia. E esse é meu sentimento pelos animes, que me faz continuar a assistir e que me fez criar esse blog, que peço desculpas por ser simples, afinal estou apenas começando e tenho muito que aprender. Então olha ai! Os animes me influenciando mais uma vez, me fazendo querer ser blogueiro!! :D

Obs: Caso tenha gostado se possível aperte o botão "Recomende isto no Google" abaixo da postagem, isso ajuda muito na divulgação do blog. Você pode também curtir a página no face e seguir o blog caso desejar. Obrigado pela preferência!

0 comentários:

Postar um comentário